Páginas

Flores da Campina - Dand M.

                                                 ao Érico
A fronte coroada
a estrela Dalva
o corpo sorve o ópio da noite sagrada.

Belo
putrefato
corta e o exsuda – Oh, Bar do Parque!
o cortejo de crianças traídas
anjos costurados à mão
estivadores com buquês
assassinos sorrindo quimeras
poetas negociando sudários.

(Caminhando sobre a glória da raça humana.)

Um clown morto gargalhando me fascina:
se pudesse
enfeitar-lhe-ia a solidão do corpo
com a luz do meu.

Com meus versos, meus terços, meu ciúme
e o perfume de flores da campina envenenadas...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails