Páginas

POEMAS DE NAURO MACHADO


(Edvard Munch)


METAMORFOSE INICIAL

Me crio em nova forma. Não
a que em quartos, corpos
gastos sofrem, tão sós,
pastos vis de um mútuo asco
solitários. Bem os sei também
distendidos, parto enfim
da morte, não a própria
(dificílima),
mas suja e dividida
com outrem. Me crio em nova
forma. Uma, incessante, dia meu, —
árduo, que sobre o piso a
comida de ontem jaz. Sabe a
tarde, loucura, carne ou
legume? No banho seu odor
me penetra — sabre.  Foi e
já não é, coube e já não
cabe: cai, ressequida, lúcido
ódio! Me crio em nova
forma. Não esta, mas outra
maior, dia meu, mais árduo,
onde meus ócios secam,
apodrecidos, no tédio
das palavras.


ENCARGO

Enterrei os cadáveres das meninas
com mãos pelo pranto decepadas.
Enterrei os seios das meninas, como limões
que guardassem os cavalos da carne.


II POEMA ÓRFICO

O passar
do silêncio
é o caminho
para a
            VOZ
O passar
da palavra
é o caminho
para
            NADA


[Poemas extraídos da “Antologia Poética”, de Nauro Machado, publicada pela editora Imago em 1998]


Nauro Machado é um poeta que admiro muito, mas (infelizmente) não é muito conhecido. Faço minhas as palavras de Octávio de Faria, presentes na Antologia Poética de Nauro: “Entre os grandes esquecidos — esses de que poucos, raros mesmo falam nesse nosso País em que todos gostam de cultuar as celebridades, relegando os que quase o são para o mais total esquecimento — e não me canso em insistir nesse desagradável fenômeno — o poeta Nauro Machado figura entre os mais “vitimados”. E não me parece que haja maior e mais triste injustiça... (...)”

Pesquisando sobre este escritor na rede, encontrei uma interessante entrevista dele, que você pode ler clicando bem aqui.

Um abraço, e até a próxima. :) 

Um comentário:

  1. Tenho lido Nauro Machado há poucos meses e nem me lembro como o descobri, sei apenas que foi um dos mais felizes acasos. Por sorte alguns espaços na rede, como este blog encantador, fazem um pequeno justiçamento ao olvido geral no qual este nome tão forte vibra enterrado, vazando por pequenas fissuras -- talvez seja a sina do demasiado potente: ter de rasgar as resistências.

    Agradeço!

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails